Aracaju, 18 de Janeiro de 2017
15 DE OUTUBRO, DIA DOS PROFESSORES


Já há muitos e muitos anos, que esta data se tornou uma simples e “esquecível” data por parte de muitos que governam este país, nas três esferas de poder: Federal, estadual e municipal. Virou apenas um ato de pura demagogia política na boca daqueles a quem se intitulam de representantes do povo. Em épocas de eleição, vemos nas ruas os mesmos hipócritas em buscar caçar os votos daqueles que, desinteressadamente, não sabem e nem querem saber em quem estão dando o seu voto. Muitos em troca de “favores”, de “coisas” momentâneas que logo se findam. Pois bem, esse mesmo povo esquece que seus filhos estão estudando em uma escola, que por vezes, não tem paredes, não tem telhado, sanitários não existem, cozinha até tem, porém não tem merenda, não tem carteiras e nem quadros, pois em muitos são pintados em parede totalmente esburacadas, não por destruição dos alunos e sim por falta de manutenção, onde a escola nunca foi reformada desde a sua inauguração. E também se esquece que nessa escola tem um professor.

Mas que ao passar as eleições, escolhido os seus “representantes”, somem durante os próximos 04 anos. E nesse dia 15 de outubro, colocam outdoor nas ruas, ou até quem sabe um carro de som nas ruas, ou possivelmente uma propaganda na tv, parabenizando os “eternos mestres”, com frases de efeito demagógicos e ridículas. Mas que esses governantes esquecem que professor é gente, é ser humano, é trabalhador que precisa de respeito, de reconhecimento salarial, de estímulo para enfrentar esta que se tornou uma carreira, infelizmente, extremamente perigosa nos dias de hoje. Temos carros queimados, riscados, somos ameaçados pelo rompante de menores que, diante da ECA, se sentem os “poderosos e intocáveis”. Professores assassinados, professores que ficaram tetraplégicos por vingança de alunos, e que estão esquecidos em cima de uma cama hospitalar.

Estímulos financeiros, estímulos de condições de trabalho, condições materiais inexistentes, mas que são cobrados desde o momento que pisam no ambiente escolar. Sabemos de nossa responsabilidade, sabemos de nosso compromisso, sabemos também que tudo não depende somente de nós. Mas que o resultado, todos pensam que só dependem do nosso esforço e dedicação. Magistério não é sacerdócio. Magistério é profissão, e como tal merece respeito de seus “patrões”.

Hoje, 15 de outubro de 2016, nos perguntamos: Comemorar o quê?  Temos respeito e reconhecimento de todos que vivem no ambiente escolar? Temos reconhecimento do governo de plantão em obediência e observância a Lei do Piso, não falei a lei do Teto. Estamos já há quatro anos sem reajuste e nem cumprimento daquilo que nos é de direito, segunda a lei. Mas como nesse país, leis não são para serem cumpridas ( por gente grande), pois para a grande massa de desafortunados, lei grossa e pesada.

É minha gente, ser professor neste país chamado Brasil, um país de diferenças inimagináveis no tratamento de seu povo, onde o estado brasileiro recompensa a família de um assassino, e deixa a família do morto a míngua. Um país onde, em momentos de crise financeira ( segundo eles) remunera um ministro do STF em quase 33.000,00 (trinta e três mil reais) fora os auxílios indecentes que elevam em muitos os seus ganhos, e o que é pior, é efeito cascata ou seja, vem bater aqui nos municípios mais longes de país. Mas qued este mesmo país paga ( e não é cumprido) uma remuneração de R$2.150,00 (Dois mil cento e cinquenta reais) para aquele que forma, que prepara o ministro, que é o PROFESSOR.

Um dia desse, o Senador Cristovam Buarque da tribuna do Senado, em seu discurso perguntou: Porque será que os jovens de hoje não  querem mais escolher a profissão do magistério? Pediu para que os pais estimulem seus filhos a seguir a profissão “digna”  e “honrada” dentro da sociedade. E eu assistindo o seu pronunciamento, perguntei-me, Porque senador? Para ser humilhado, escravizada, tratado como simples seres insignificantes, sem respeito, sem remuneração decente, sem reconhecimento da grande maioria da população e governantes? Não senador. Financeiramente não quero que meus filhos passem por aquilo que estamos atravessando diante do magistério de nossos dias.

Nós sabemos de nossa importância diante desse país. E só sairemos desse buraco infindável que nos encontramos, através da educação séria, de qualidade e do interesse em ter um povo culto, inteligente e que saiba pensar, agir e reagir em busca de seus interesses. De reivindicar melhorias em suas vidas, em deixar de participar e aceitar corruptos e corruptores, possam ficar impunes, ou melhor e diretamente falando, que devolvam parcelas pequenas de seus roubos , e que possam ir cumprir a pena com tornozeleiras em casa, fazendo churrasco e rindo impunimente de nossas caras. Países com China , Japão, Corea e muitos outros países sérios, seu pilar fundamental é a Educação, pois somente através dela é que seu povo terá um país digno e honesto para viver.

Feliz dias dos professores, aos meus colegas de trabalho, à  aqueles que ainda com todo sofrimento fazem o magistério deste país. Sei que de nada temos a nos orgulhar ou comemorar, mas que entre nós sabemos o nosso valor. Transformar esse país através da educação não depende somente de nós, mas que possamos nos orgulhar de jamais abaixarmos a cabeça diante de tanta injustiça, de tanta irresponsabilidade, de tamanho cinismo de governantes demagogos e irresponsáveis.

Que Deus em sua imensa sabedoria, possa colocar suas mãos poderosas sobre nós, dando-nos forças e discernimento para poder suportar essa estrada da vida profissional de cada um de nós.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados