Aracaju, 29 de Março de 2017
Morre Sivaldo Publicidade, aos 72 anos


Nota triste e dolorosa, sobre o falecimento do radialista e empresário José Sivaldo Santana Silva, conhecido por Sivaldo Publicidade, 72 anos, ocorrido na noite de ontem (12), por volta das 19h50, no Hospital Regional de Lagarto.

Sivaldo estava internado devido a vários problemas de saúde nos rins, fígado e diabetes.

A primeira vez que Sivaldo esteve internado no Hospital Regional Dr. Jessé Fontes, em Estância, foi na semana passada, quando lá passou quatro dias, recebendo alta no dia 9 (sábado), porém no domingo de tarde sentiu-se mal e voltou a se internar.

Na tarde de ontem, por volta das 16h00, Silvado foi transferido para o hospital de Lagarto onde lá veio a falecer.

O corpo de Sivaldo será velado na sua própria residência, localizada no Caminho do Rio e só será sepultado no período da tarde, pelo fato dele ter familiares residindo em outros estados.

SIVALDO O LOCUTOR CHEFE

Nas pesquisas que realizamos constantemente em alguns jornais que marcaram época na Estância, deparamos com a coluna “As Quatro Dimensões do Rádio”, assinada por Santamaría. Segundo João de Agiu, Santamaría era o pseudônimo do jornalista Vanderlei Silva. O colunista do espaço, que escrevia na Folha Trabalhista, referia-se muito bem ao trabalho de Sivaldo na Rádio Esperança.

Pela simpatia e o respeito que temos a este profissional, por ser da mesma classe nossa e por ser um amante do tradicional rádio de Amplitude Modulada (AM), prestaremos uma justa homenagem no decorrer destas linhas a esse baluarte da radiofonia estanciana, aliás, Estância é celeiro de um grande mar de pérolas intelectuais, quer seja do rádio, da escrita, da música, da política, enfim, lutadores que orgulham sua terra. José Sivaldo Santana Silva nasceu em Estância, no dia 13 de janeiro de 1943, na Rua Pedro Homem da Costa, antigo Caminho do Rio, e reside ainda hoje na mesma casa.

É filho do inesquecível Edgar da Silva (conhecido por Edgar das Bramas), que dirigiu por muito tempo o Cemitério da Piedade, como provedor, e que integrou a Irmandade do Santíssimo Sacramento, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, e de D. Maria Dalva Santana Silva, que mora vizinha ao homenageado.

PRIMEIROS PASSOS

Aos 15 anos de idade, Sivaldo, começou a trabalhar com Seu Francisquinho, proprietário do XPTO, no primeiro serviço de alto-falantes de Estância. “Francisquinho e Pimentel dominavam esse serviço de alto-falantes na cidade, com as caixas estendidas em postes em algumas ruas do nosso município, funcionando das 6 às 10 horas da noite”, lembra Sivaldo.

Sua tarefa nesse primeiro emprego era colocar os discos na “vitrola” de 78 rotações e substituir de três em três horas as agulhas, que apresentavam defeitos.

Com o passar do tempo, fundou seu próprio serviço de alto-falantes, iniciando na Rua do “Pompeu” – bairro Porto D’Areia. Devido a escassa condição financeira para manter duas bocas de alto-falantes funcionando, ele teve que parar a atividade.

Ao finalizar a primeira tentativa de autônomo na área de serviço de alto-falantes, com apenas 21 anos de idade, Sivaldo foi embora para Salvador, capital da Bahia, trabalhar na Rádio Cultura, onde o país estava enfrentando a Ditadura Militar, e Sivaldo, numa ocasião, que saia da Rádio por volta de uma hora da manhã, foi abordado por várias vezes por soldados do Exército quando se deslocava do Campo Grande para o bairro da Liberdade. Lá passou um ano trabalhando como sonoplasta.

Já casado, Sivaldo teve dificuldades em estabilizar-se na capital baiana, pela pouca gratificação que recebia.

Regressando a Estância, foi trabalhar na Fábrica Amido Glucose, comprando mandioca durante quatro anos para a própria indústria. Na empresa, ele contou com o apoio do Dr. Julião, e comprou um automóvel, que mais tarde instalou dois alto-falantes, criando, assim, o seu primeiro carro de som. Mais tarde, Sivaldo adquiriu uma Rural.

Com essa Rural, o seu empreendimento melhorou que depois adquiriu um Veraneio de sugunda-mão. Com esse novo carro, também já equipado, Sivaldo foi prestar serviço de publicidade na cidade sergipana de Tobias Barreto, indo e vindo todos os dias durante três anos. A renda familiar desse lutador foi completada mais tarde com a criação de uma casa de dança por nome de Danceteria “Marisqueiro”, localizada no bairro Alagoas.

NA RÁDIO ESPERANÇA

A casa de dança de Sivaldo surgiu primeiro que ele viesse a trabalhar na Rádio Esperança de Dr. Jorge. Ele conta que quando entrou para trabalhar na Fundação de Educação e Cultura, mantenedora da Rádio Esperança, a emissora estava ainda em fase de implantação. “Entrei logo na montagem da Rádio Esperança, em 1967, e fui um dos primeiros locutores dela, classificado por Dr. Jorge como ‘locutor- chefe’, destacou Sivaldo.

Ele disse que quando Dr. Jorge lhe levava para fazer alguma gravação na FUNDESE, apresentava para todos que ele era chefe dos locutores da Rádio Esperança.

Vários programas de audiência foram apresentados por Sivaldo Silva na Rádio Esperança, como : Manhã de Domingo, Seresta e Seresteiros, Na Onda do Sucesso, e tantos outros. Lá, ele trabalhou durante cinco anos.

Deixando a Rádio Esperança, Sivaldo voltou a dar seqüência ao seu empreendimento no serviço de alto-falantes. Segundo ele, é um dos fundadores de carro-de-som no interior de Sergipe. Muitas vezes chegou a deixar Estância para fazer propaganda nas cidades baianas de Alagoinhas e Catu. Nesses municípios, acompanhou vários blocos carnavalescos com seu carro-de-som funcionando como uma espécie de trio-elétrico, executando bonitas marchas carnavalescas, como a famosa marchinha ‘Bananeira, mangará’.

Convidado por Divaldo Carvalho Costa, que era presidente da Lira Carlos Gomes, Sivaldo acompanhou a filarmônica num Concurso de Filarmônicas, que ocorreu no Ginásio Geraldão, na cidade pernambucana de Recife.

Na política partidária, Sivaldo saiu candidato a vereador pelo partido do saudoso Nivaldo Silva, PFL, mas não conseguiu se eleger. “Brinquei de política”, disse Sivaldo.

O HIPER SOM

Atualmente Sivaldo é proprietário do Serviço de Sonorização Ambiental - Hiper Som. Seu estúdio localiza-se à Rua Pedro Homem da Costa e possui sessenta caixas de som espalhadas em toda área da Feira-Livre, Praça Barão do Rio Branco, Praça Orlando Gomes (próximo ao Banco do Brasil), Rua Capitão Salomão, Av. Raimundo Silveira Souza e no centro da cidade.

O Hiper Som foi criado há dez anos, onde sua atividade cultural é diversificada com transmissão de músicas, propagandas, anúncios de festas e também locução ao vivo. O Hiper Som se destaca como uma autêntica escola de formação profissional, formando jovens para atuarem no rádio AM e FM. Como exemplo, Sivaldo cita os nomes de Everton Ribeiro e Gil Santos, ambos trabalham na rádio Ilha FM; Marcos Nunes na rádio Itabaiana FM e Walisson Jardim e Jéferson Oliveira atuam como aprendizes do Hiper Som.

Sivaldo tinha onze filhos: Washington, Silvério, Silvio, Síntia, Sivaldo Júnior, Silvana, Silvan, Sidnei, Silran, Silveston e Gislane. Atualmente era casado com a senhora Sícera.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados