Aracaju, 18 de Novembro de 2018
Corrupção, lavagem e organização criminosa: Temer é indiciado pela PF


A PF (Polícia Federal) finalizou o inquérito que apura se o presidente Michel Temer recebeu propina em troca de beneficiar indevidamente empresas do setor portuário. O presidente foi indiciado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Eis a íntegra.

No relatório final, a PF afirma que Temer usou empresas do coronel reformado da PM João Baptista Lima. Ele é amigo pessoal.  Temer teria recebido propina da empresa Rodrimar por meio de “complexa engenharia financeira”. O processo envolvia repasses a empresa de fachada ligada ao coronel.

A PF também indiciou a filha de Temer, Maristela de Toledo Temer Lulia. Além dos 2, outras 9 pessoas foram indiciadas. São elas:

  • Rodrigo Santos da Rocha Loures;
  • Antônio Celso Grecco;
  • Ricardo Conrado Mesquita;
  • Gonçalo Borges Torrealba;
  • João Baptista Lima Filho;
  • Maria Rita Fratezi;
  • Carlos Alberto Costa;
  • Carlos Alberto Costa Filho;
  • Almir Martins Ferreira.

No relatório final, o delegado responsável pelo caso também pediu ao Supremo o bloqueio de bens de todos os acusados. Foi pedida a prisão preventiva de 4 deles: o coronel João Batista Lima Filho, amigo de Temer, a arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher de Batista, e os investigados Carlos Alberto Costa, sócio do coronel, e Almir Martins Ferreira.

Ao enviar o caso à PGR, Barroso também proibiu os acusados que tiveram prisão solicitada de deixarem o país.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados