Aracaju, 21 de Outubro de 2018
TCE revoga resolução, mas adverte: Lei das Licitações obriga pagamentos em ordem cronológica


A Lei de Licitações (Lei nº 8.666/1993) já exige que os gestores obedeçam à ordem cronológica de pagamentos nos contratos firmados pela administração pública, sendo desnecessária regulamentação interna do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) tratando da mesma matéria.

Esse foi o entendimento do colegiado da Corte de Contas ao revogar, no Pleno da última quinta-feira, 7, por unanimidade, a Resolução 296/2016, que aborda o mesmo tema.

"O fundamento para a revogação foi que a Lei 8.666/93 já disciplina à exaustão a matéria, não havendo espaço para regulamentação por Resolução desta Corte de Contas", explica o Coordenador Jurídico do TCE, Marcos Brito.

De acordo com ele, diferentemente do que foi repercutido por alguns veículos da imprensa, a medida do TCE/SE não desobriga o gestor de obedecer a ordem cronológica ao efetuar esses pagamentos.

"As legislações já existentes continuam regulamentando a matéria e os gestores seguem obrigados na forma da lei, pelo que o Tribunal observará a matéria no âmbito do controle externo através dos seus órgãos de auditoria", acrescentou.

Conforme o artigo 5º da Lei de Licitações, a Administração deve obedecer, “para cada fonte diferenciada de recursos, a estrita ordem cronológica das datas de suas exigibilidades, salvo quando presentes relevantes razões de interesse público e mediante prévia justificativa da autoridade competente, devidamente publicada”.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados