Aracaju, 19 de Novembro de 2017
MPF/SE garante pagamento de benefício a pacientes psiquiátricos


A pedido do Ministério Público Federal em Sergipe (MPF/SE), a Justiça concedeu liminar para garantir o pagamento do Benefício de Prestação Continuada aos pacientes internados no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Sergipe, ou instituição similar, bem como restabelecer aqueles que tenham sido suspensos. A ação do MPF/SE é resultado de denúncias do próprio hospital, que tentou resolver a falta do pagamento do benefício de forma administrativa junto ao INSS, mas não obteve sucesso.

Para o INSS, a responsabilidade pelo cuidado com os pacientes é do Governo do Estado, já que eles estão internados em um hospital estadual. A justificativa, contudo, não tem bases constitucionais.

O MPF entrou em contato com a equipe de Assistência Social do hospital psiquiátrico, que informou que as dificuldades econômicas afetam o processo de vínculos afetivos e dificultam a ressocialização. De acordo com as assistentes sociais, a falta do benefício prejudica também o tratamento dentro da instituição.

Existem necessidades durante o tratamento que não são amparadas pelo poder público, como a realização de exames, a compra de próteses dentárias e o deslocamento dos familiares, por exemplo. O MPF/SE, por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, acionou a Justiça Federal para solucionar o caso.

Liminar - A Justiça julgou procedentes os pedidos do Ministério Público Federal em Sergipe (MPF/SE), pois entendeu que o fato de os pacientes estarem em um hospital estadual não servia como impedimento para receber o benefício. Além de não constar na legislação como um empecilho para a ajuda do INSS, a internação no hospital só comprovava os dois prerrequisitos para o recebimento do BPC: apresentar algum tipo de deficiência e não possuir renda familiar necessária para o seu provimento.

“Com efeito, o entendimento adotado pelo INSS […] traduz, na prática, o acréscimo de mais uma exigência, não prevista pela Constituição Federal e não estabelecida na respectiva lei regulamentadora”, ressaltou ação do MPF. Com a decisão da Justiça, o INSS foi intimado a restabelecer o pagamento do benefício no Hospital de Custódia ou qualquer outra instituição similar.

Além disso, o órgão deve reavaliar a situação individual de cada interno e apresentar relatórios com um prazo de 15 dias, a contar da data da decisão. O processo pode ser acompanhado por meio do número 0803854-08.2017.4.05.8500.

Direitos – O Benefício da Prestação Continuada (BPC), previsto na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) é a garantia de um salário-mínimo mensal ao idoso, acima de 65 anos, ou à pessoa com deficiência de qualquer idade, com impedimentos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial de longo prazo, que o impossibilite de participar de forma plena e efetiva na sociedade, em igualdade de condições com as demais pessoas.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados