Aracaju, 22 de Novembro de 2017
VEJA quanto Lula, Dilma e Temer pagaram em publicidade à Globo, ¨Veja¨, Época, Folha, Estadão, G1, UOL...


Em 2016, com apenas duas exceções, os veículos da mídia tradicional –seja em TV, jornal, revista ou internet– receberam menos dinheiro da publicidade federal do que em 2015. Os 2 veículos na direção contrária foram as revistas Veja e Época.

Época teve 1 crescimento de 17,8%. Ganhou R$ 3,4 milhões em 2015 e R$ 4 milhões no ano passado. Mas o grande destaque foi o salto da revista Veja, que mais do que dobrou o faturamento com propaganda estatal em 1 ano. Passou de R$ 5,1 milhões no último ano completo de governo Dilma para R$ 11,2 milhões em 2016.

O avanço foi registrado 1 ano depois de o governo petista cortar 78% da verba da revista. Em 2014, Veja havia recebido R$ 23 milhões do governo federal. Nos 4 primeiros meses de 2016 (1/3 do ano), enquanto Dilma ainda ocupava a cadeira de presidente, a revista recebeu R$ 1 milhão em dinheiro da propaganda federal. Nos 8 meses restantes, ganhou R$ 10 milhões.

Os dados completos da administração federal são inéditos. Foram obtidos pelo Poder360 por meio da Lei de Acesso à Informação. As informações sobre propaganda da União eram coletadas e organizadas pelo IAP (Instituto de Acompanhamento da Publicidade). O órgão paraestatal teve seu financiamento interrompido em março de 2017.

O IAP estava em atividade desde 1999 (começou a divulgar os dados em 2000). Seu custo anual era da ordem de R$ 1,2 milhão (cerca de R$ 100 mil mensais). O instituto compilava todos os gastos com propaganda na esfera pública federal por meio do recebimento de todos os PIs (pedidos de inserção) emitidos por agências com contas estatais. A partir deste ano de 2017, não haverá mais essa estatística disponível.

GRUPO GLOBO: R$ 10 BILHÕES DESDE O ANO 2000

A maior rede de televisão do país é, de longe, quem mais recebeu verbas de publicidade estatal federal desde o ano 2000. O Grupo Globo (TV, jornal, revista Época e portais de internet) teve ao todo R$ 10,2 bilhões de 2000 a 2016. O levantamento não inclui rádios e TV por assinatura.

Esses R$ 10,2 bilhões equivalem a 29,4% de tudo o que o poder público federal gastou com propaganda desde o ano 2000.

Apesar dessa prevalência histórica, a TV Globo vem perdendo espaço de maneira constante no orçamento de publicidade estatal em nível federal.

O ano de 2016 foi o 3º consecutivo de corte nas verbas de publicidade da União para a TV Globo. A emissora recebeu R$ 323,8 milhões, o que significou uma redução de 26% sobre 2015.

Já em 2015, a TV Globo havia registrado uma queda de 34% sobre o faturado em 2014. Desde 2013, ano em que recebeu o recorde de R$ 735 milhões do governo federal, a verba da emissora encolheu 55,9%. O valor recebido neste ano foi o menor desde que os dados começaram a ser computados, em 2000.

Mesmo com os seguidos cortes, a rede da família Marinho continua muito à frente de qualquer outro veículo na lista de maiores recebedores de dinheiro da União. Em 2016, inclusive, sua participação na divisão dos recursos do meio TV aumentou de 32% para 33%.

Todas as 5 maiores emissoras de TV abertas do país tiveram reduções no valor da publicidade federal. O total pago às 5 empresas em 2016 foi de R$ 689,5 milhões – queda de 28,7%.

Proporcionalmente, a maior redução foi da RedeTV –queda de 54,7%. Recebeu R$ 17,2 milhões contra R$ 38 milhões faturados em 2015. Mas a emissora é também a menor entre as 5 principais. Teve média diária de 0,5 ponto de audiência, segundo o Ibope.

O SBT, 2º colocado em audiência (5,48 pontos), recebeu R$ 100 milhões do governo federal. Menos do que a Record, que ganhou R$ 169 milhões e teve média de 5,05 pontos de audiência.

A Band, com média de 1,5 ponto de audiência, recebeu R$ 78 milhões.

Essa discrepância entre audiência das TVs e o valor recebido de verbas publicitárias contradiz o argumento sempre usado pelo Planalto, de que a divisão do dinheiro atende a critérios de “mídia técnica” –ou seja, que emissoras receberiam de maneira proporcional ao público que atingem. Eis uma tabela completa (leia em PDF)

GRANDES JORNAIS, GRANDES PERDAS

A verba do governo federal para o meio “jornal” encolheu R$ 20,1 milhões em 2016 na comparação com 2015. Foram R$ 78 milhões destinados para o segmento no ano passado (queda de 20,4%). Mas o cenário foi especialmente ruim para as 4 publicações “nacionais”: Folha de S. PauloEstado de S.PauloO Globo e Valor Econômico.

Somadas, essas 4 publicações perderam em recursos federais mais do que todo o meio: R$ 20,5 milhões. Ou seja, descartando-se os 4 diários, o meio jornal teve leve crescimento nos recursos.

Entre as 4 publicações, o corte mais drástico em 2016 foi o da Folha. O jornal paulista liderava o ranking, mas recebeu 54,2% a menos do que em 2015. Passou de R$ 15,1 milhões para R$ 6,9 milhões.

Globo recebeu no ano passado R$ 12 milhões do governo federal. Menos do que os R$ 14,2 milhões do ano anterior, mas o suficiente para passar a ser o diário que mais ganha dinheiro de publicidade da União.

Estadão também recebeu menos recursos federais –R$ 7,8 milhões. Foram R$ 4 milhões abaixo do valor de 2015, uma queda de 35%.

Valor Econômico recebeu R$ 2,6 milhões a menos. Faturou R$ 7,4 milhões em propaganda federal. Eis os valores completos (leia em PDF)

Ainda que o valor absoluto seja maior na publicidade para os jornais impressos, o corte mais sentido para os 4 grandes jornais pode ser o da publicidade digital. A queda foi muito mais acentuada na proporção de recursos para a versão digital dos diários. Isso em um ano em que o número de assinaturas digitais aumentou nas 4 publicações.

A redução nas verbas foi expressiva: Folha (-76,5%), O Globo (-43,4%), Estadão (-78,6%) e Valor Econômico (-84,7%). O resultado mais do que anula os aumentos recebidos em 2015:

MEIO “REVISTAS” MAIS CONCENTRADO

O total de publicidade federal para as revistas caiu 36% em 2016. Mas o impacto sobre as principais publicações do país foi bem menor. Veja, que já era a que mais faturava, dobrou sua verba. Época cresceu 17%. IstoÉ teve queda de 14,3%. Já a Carta Capital sofreu mais, com redução de 52,9%

Tudo somado, a participação das 4 publicações no total da verba empregada no segmento mais do que dobrou. Foi de 21% a 44%.

Eis os dados completos sobre as 4 principais revistas (leia em PDF)

PORTAIS: VERBAS PELA METADE

Em 2016, o meio “internet” sofreu uma redução de 30% no total de dinheiro recebido da União na comparação com o ano anterior. Mas a tesourada foi mais forte no grupo dos principais portais brasileiros. A soma do valor faturado pelos 7 maiores portais (MSN, UOL, G1, R7, Terra, iG e Yahoo!) foi pouco maior que a metade do total de 2015 (queda de 46%).

Com isso, a participação desses portais no total gasto pelo governo na internet foi a menor desde que os valores começaram a ser computados, em 2000: 23%.

Individualmente, todos os 7 sites sofreram cortes.

O MSN teve uma redução de 45% na verba, mas continua como o que mais fatura com publicidade federal. Recebeu R$ 10,3 milhões em 2016. O valor do portal engloba outros serviços da Microsoft, como o buscador Bing, o serviço de e-mail Outlook, o serviço de chamadas on-line Skype e a plataforma Xbox. Somados, os serviços tiveram média mensal de 52,6 milhões de visitantes únicos.

O G1 e o portal Globo.com, que registraram a maior audiência no ano (média mensal de 71,8 milhões de visitantes em dezembro de 2016), tiveram também o maior corte: uma queda de 58,3% sobre 2015. O faturamento foi de R$ 6,4 milhões.

O UOL teve média mensal de 67,1 milhões de visitante únicos e ganhou R$ 9,7 milhões do governo federal –isso representou 42,2% a menos que em 2015. A audiência inclui números da Folha e outros parceiros hospedados no site, mas o valor arrecadado, não.

O R7, ligado à TV Record e à Igreja Universal do Reino de Deus, recebeu R$ 3,2 milhões em 2016, metade do valor do ano anterior.

Yahoo, Terra e iG também sofreram reduções. Eis os dados completos (leia em PDF)

Leia mais em Poder 360

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados