Aracaju, 20 de Novembro de 2017
EM ESTADO DE ALERTA: Ranking mostra que Sergipe pode precisar do regime de recuperação fiscal


O Ministério da Fazenda elaborou um ranking dos indicadores do Regime de Recuperação Fiscal que mostra que oito estados se enquadram em ao menos um dos três critérios que habilitam a adesão ao programa previstos no texto enviado pelo Poder Executivo. O documento serve de alerta para estados que têm se posicionado contra a aprovação do texto que tramita na Câmara, já que alguns deles aparecem também perto de atingirem os outros dois requisitos que permitem o ingresso no programa.

Segundo o levantamento, além de Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, outros cinco estados também apresentam receita corrente líquida anual menor que a dívida consolidada ao final do exercício financeiro anterior ao da solicitação de ingresso no regime de recuperação. É o caso de São Paulo, Alagoas, Santa Catarina, Goiás e Mato Grosso do Sul.

Em relação ao segundo critério, apenas Rio de Janeiro e Minas Gerais aparecem claramente habilitados. Trata-se do parâmetro de apresentar as despesas liquidadas com pessoal, com juros e com amortizações que somados representem, no mínimo, 70% da receita corrente líquida aferida no exercício financeiro anterior ao da solicitação de ingresso ao Regime de Recuperação Fiscal.

Segundo nota técnica da Fazenda, o Rio Grande do Sul somente não aparece nesta segunda condição devido a uma decisão do Tribunal de Contas do Estado segundo a qual o estado não considera como despesa de pessoal os gastos com pensões, abono de permanência e o Imposto de Renda retido na fonte da remuneração dos servidores.

Há ainda outros cinco estados que estão em “estado de alerta” por estarem próximos de atingir este critério. São eles: Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, São Paulo, Santa Catarina e Goiás.

Em relação ao terceiro preceito, há seis estados habilitados para aderir ao programa. Eles apresentam valor total de obrigações contraídas maior que as disponibilidades de caixa e equivalentes de caixa de recursos sem vinculação. Estão nesta situação, além de Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, Sergipe, Pernambuco, Piauí e Goiás. Já Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Bahia aparecem também em estado de alerta.

O relator do projeto na Câmara, Pedro Paulo (PMDB-RJ), estuda incluir em seu texto um dispositivo segundo o qual estados que estejam enquadrados em duas das três regras possam negociar diretamente com o Ministério da Fazenda alguns dos benefícios do regime. Desta forma, acredita que mais estados irão apoiar a aprovação do projeto, que vem sofrendo resistências na Câmara e já teve sua análise adiada algumas vezes.

Leia mais no Globo

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados